navbar

Mídia “profissional” atrasa 1 ano e 5 meses para denunciar união de PCC e ADA, colocando a sociedade do RJ em risco

A mídia brasileira para variar está sempre convenientemente “atrasada” sobre os fatos que afetam a sociedade. A notícia abaixo confirma o que havíamos denunciado em 30/10/2016 sobre a união do PCC com o ADA criando uma nova facção criminosa.

Facção paulista se une a quadrilhas do RJ que tentam tomar tráfico na Rocinha

Principal grupo criminoso de SP faz aliança com nova organização criada nos presídios fluminenses com apoio de ex-chefe do tráfico na comunidade.

Por Marco Antônio Martins, G1 Rio
01/03/2018 12h41 Atualizado há menos de 1 minuto

Passarela na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro (Foto: Felipe Dana/AP)

Passarela na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro (Foto: Felipe Dana/AP)

Documentos do sistema penitenciário do RJ e do serviço de inteligência que apoia a intervenção federal na segurança do estado mostram que o traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, articulou novas alianças para expandir a atuação de seu grupo criminoso no Rio. Uma das áreas em questão é a Rocinha, favela mais populosa da cidade e localizada entre bairros nobres, como Leblon e São Conrado.

Nem é um dos chefes da facção Amigos dos Amigos (ADA) e está preso em uma penitenciária federal em Porto Velho (RO). Recentemente, entrou em guerra com Rogério 157, de quem foi aliado e que deixou a ADA para se unir ao Comando Vermelho (CV) – facção da qual Nem tenta tirar o controle do tráfico de drogas na Rocinha.

Nem firmou acordo da ADA com o Terceiro Comando Puro (TCP) para formar o TCA (Terceiro Comando dos Amigos). A nova facção se aliou ao Primeiro Comando da Capital (PCC), principal grupo criminoso de São Paulo que rompeu seu acordo de trégua com o CV. Com essa parceria, a quadrilha passou a ser chamada nos presídios de TCA-1533 (os números são uma referência ao PCC).

Mesmo preso, Nem financiou a compra de 200 fuzis para a quadrilha ao custo de R$ 7 milhões, segundo os órgãos de inteligência. O armamento foi recebido no ano passado na favela de Acari, na Zona Norte da cidade. Segundo os documentos da Seap e da inteligência federal, o PCC também repassa armas e drogas para o TCA-1533 em diferentes pontos da capital e interior do RJ.

A formação do TCA-1533 vem sendo acompanhada pelos serviços de inteligência da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e pelo governo federal. Segundo os investigadores, nos últimos dias de dezembro de 2017, no interior do presídio Jonas Lopes de Carvalho, Bangu 4, chefes da ADA confirmavam o acordo iniciado em 2016 com integrantes do TCP e criavam o Terceiro Comando dos Amigos.

Os documentos obtidos pelo G1 mostram que os traficantes presos uniram as duas quadrilhas e ainda contaram com a briga do PCC com o Comando Vermelho para obter o apoio financeiro da facção paulista.

Formação

O TCA-1533 começou a se desenhar quando, em 2016, integrantes do PCC romperam a parceria com o Comando Vermelho, considerada a maior facção carioca. Na ocasião, 120 detentos de São Paulo que cumpriam pena em três presídios pediram a transferência para unidades chamadas de “neutro”. Todos dividiam unidades com o CV.

Por determinação do então subsecretário Sauler Sakalem foi tomado um procedimento diferente: os presos do PCC foram enviados para Bangu 4, onde ficam os detentos da ADA. O acordo entre as duas facções se consolidou.

Criminosos em liberdade e parentes passaram a ir morar em comunidades dominadas pela ADA como o Morro de São Carlos, na região central do Rio, e a favela da Rocinha, na Zona Sul.

Em setembro, apareceu um indício de que a união entre TCP e ADA já estava encaminhada: o agente penitenciário Marcelo Aparecido de Lima foi preso pelo Ministério Público estadual guardando dinheiro das duas facções no presídio Carlos Tinoco, em Campos, no Norte Fluminense. Marcelo responde a processo preso.

Entre outubro e dezembro do ano passado, a movimentação de presos chamou a atenção dos órgãos de inteligência da Secretaria de Segurança e da PF: 840 presos solicitaram a transferência de Bangu 4 para a Lemos de Brito, cadeia do TCP. Novamente sem questionamentos das autoridades, todos foram transferidos.

A Seap informou que as transferências são determinadas pelo Subsecretário de Gestão Operacional da pasta. O Secretário de Estado de Administração Penitenciária, David Anthony Gonçalves Alves, admitiu que o número de transferências impressiona.

“É um número alto que me impressionou. Estou reunindo o ‘staff’ para que o quantitativo de transferências seja controlado e que estas só aconteçam por um motivo justificado. A rotina de incluir os dados de transferências da porta de entrada para as demais unidades será desconsiderada, pois assim aumentará o controle e transparência. Essa inclusive foi uma das demandas apresentadas na primeira reunião com a Defensoria Pública”, afirmou.

Em 2016, mais de 65 mil transferências foram realizadas, contando os ingressos nas portas de entradas do sistema penitenciário e posterior deslocamentos para outras unidades prisionais, além de transferências para hospitais penitenciários.

A Seap investiga se houve irregularidades nas transferências, que juntaram itegrantes de ADA e TCP, e de PCC e ADA.

Transferências

Segundo um agente penitenciário, a criação da nova facção pode ter sido facilitada pela postura da gestão da época, que fazia transferências de membros das quadrilhas sem maiores questionamentos.

A distribuição dos detentos nos presídios do RJ ocorrem de acordo com as facções a que pertencem. Quando um detento comunica que quer deixar a quadrilha e se sente ameaçado, ele é enviado para uma ala isolada na cadeia de qualquer quadrilha.

Nos últimos dias de dezembro, logo depois do Natal, o preso Thiago Martins Cafieiro, o FM, que havia ido para a Lemos de Brito junto com os outros colegas, retornou para Bangu 4. Para os investigadores, FM tinha ido homologar o acordo com o TCP e voltava para comunicar a decisão aos chefes da ADA – entre eles Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, que tem dito não gostar da decisão.

Para agentes penitenciários há uma explicação para a postura do antigo chefe: Celsinho está perto de ganhar benefício judicial e passar a cumprir pena no regime semi-aberto. Qualquer envolvimento na criação da facção poderia impedir a obtenção do benefício.

MP e Seap

Sobre o surgimento do TCA-1533 nos presídios do RJ e as transferências que o motivou, a promotora Andreia Amin, coordenadora do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (Gaesp) comentou:

“Não digo que a gestão anterior [da Seap] deixou correr frouxo, talvez tenha sido uma falha na análise sobre o que isso [a transferência] representava. O PCC estimulou um pacto de não agressão logo que rachou com o CV dando início à proximidade entre eles”, explicou.

A Seap através de nota informou que “o atual secretário David Anthony Gonçalves Alves assumiu a pasta em 24 de janeiro, com o objetivo de reorganizar a mesma. Novas ações estão sendo operacionalizadas pela Seap, objetivando garantir a segurança do sistema penitenciário”.

Ainda segundo a secretaria, entre as medidas estão o aumento das fiscalizações nas unidades prisionais, bem como o fortalecimento da Corregedoria com um trabalho integrado junto ao setor de Inteligência: “A Seap ressalta que a Superintendência de Inteligência desta pasta vem passando por uma reestruturação. O objetivo é ampliar sua capacidade operacional e de cooperação com as agências de inteligência dos demais órgãos de segurança pública”.

O ex-subsecretário Operacional, Sauler Sakalem não foi encontrado para falar sobre as transferências de presos das facções.

Em nota, o MPRJ informa que desconhece a existência de relatório de inteligência que atribua à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) domínio territorial na comunidade da Rocinha. Segundo o órgão, a responsabilidade pela divulgação das informações são de responsabilidade exclusiva do promotor.

O MP informa ainda que a Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Público fluminense (CSI/MPRJ) está acompanhando os acontecimentos na Rocinha e até o momento não identificou dados que permitam conferir veracidade às informações veiculadas na mencionada matéria jornalística.

email

, , , , ,