navbar

O Foro de São Paulo respalda a ditadura venezuelana, e Maduro tenta comprar apoio aumentando o salário mínimo



Depois de descumprir reiteradas vezes a Constituição, Maduro aumenta o salário mínimo em 40% pensando em comprar consciências e deter o avanço das manifestações. Não funcionou. O povo está nas ruas desde a última quarta-feira e hoje realizou uma greve geral.

Enquanto isso, a Assembléia Nacional começou o julgamento político de Maduro e já começou a ouvir testemunhas. Uma carta-convite lhe foi enviada para comparecer no dia 1 de novembro a fim de apresentar sua defesa.

Essas notícias e muito mais, no programa Observatório Latino com Graça Salgueiro.

CARACAS – Os deputados da bancada opositora ouviram os testemunhos de alguns cidadãos, porta-vozes de distintos grêmios e associações, como parte dos argumentos esgrimidos no julgamento político que Assembléia Nacional instrui contra o presidente Nicolás Maduro, por ter-se afastado da Constituição e dos valores democráticos.

Mães, estudantes, sindicalistas e representantes de outros setores tiveram direito de palavra em uma sessão que começou com atrasos, devido à tomada das adjacências do Poder Legislativo, por parte de militantes do oficialismo que defendiam a gestão de Maduro. Os parlamentares chavistas abandonaram a Câmara no início da jornada.

O presidente da Assembléia Nacional, Henry Ramos Allup, informou que o primeiro mandatário já foi citado formalmente, através de uma comunicação recebida no Palácio de Miraflores, para que vá expor seus alegatos de defesa na próxima terça-feira 1 de novembro, às 3 da tarde.

email

, , , , ,