navbar

Heitor De Paola comenta o atentado em Munich

O OUTRO LADO DA NOTÍCIA

HEITOR DE PAOLA

22/07/2016

Nos meus tempos de juventude usava-se a expressão idiota “imprensa escrita e falada” (TV não tinha ainda). Pois bem, resolvi fazer jus aos velhos tempos: isto aqui, aviso, é imprensa falada, ou radiofonia impressa, sei lá! A razão para isto é a virose das vias aéreas superiores que devasta o Rio de Janeiro, certamente inoculada pelos lacaios do imperialismo anarco-capitalista internacional para prejudicar o brilhantismo dos Jogos Olímpicos no Rio. Sequestraram nossas vias aéreas superiores e a ANAC nada faz. Espera-se que a FAB conseguia reconquistá-las em tempo!

o-eixo_banner_ld

REFLEXÕES GRIPAIS SOBRE IGUALITARISMO E INCLUSÃO SOCIAL

Consultório devastado – pacientes mudos, analista semi, já pensaram? Exigiria um Beethoven da mudez para ocorrer algo. Horários desmarcados, fiquei em casa e saí com minha mulher para as compras (inclusive de farmácia, é óbvio!). O que vimos? Tosse pra todo lado, pessoas lacrimejantes e com lenços de papel. Comentário geral: tá braba esta gripe, não durmo há várias noites tossindo e por aí vai.

Ocorreu-me, então, que existe, sim, algo realmente igualitário e que inclui a todos: a gripe! Não há nenhuma discriminação social, racial ou de gênero (0ôps!!!)! Senhoras elegantes espirram no interior de seus BMW e Mercedes, carroceiros tossem à toa (acreditem: no bairro em que moro ainda existem carroças!), pessoas pobres contando moedinha pra comprar legumes, negros, brancos, gordos, magros, senhoritos e senhoronas, enfim, todos estão socialmente incluídos. Esta é a ideia da social-democracia perfeita: a gripe! Ou qualquer outra infecção que consiga dizimar 130 milhões de pessoas para atingir a meta da igualdade absoluta. Como dizia um provérbio russo da era soviética: “Lutaremos pela paz até que não haja sobre pedra sobre pedra”.

A gripe tem outras vantagens globalistas: permite à OMS publicar milhares de páginas de scientific reports sobre medidas para evita-la, como usar as apropriadas vacinas e comer grama, nome que eu dou às sugestões dietéticas da referida organização: cuidado com açúcares, sódio e qualquer coisa que lhe faça salivar de antecipado prazer, fuja e coma grama!!!. Dias atrás eu vi um cartoon que dizia: “sou indiretamente vegetariano: as vacas comem grama e eu como as vacas”. Taí, eu também!

Como bem o disse Alexander Zinoviev (Homo Sovieticus): “se você nunca fez nada é fácil escrever um report (…) mas é muito difícil fazê-lo se você realmente fez alguma coisa”, por isto reports são geralmente escritos por burocratas desocupados (mas com altos salários) e repetidos ad nauseam por jornalistas imbecis.

Depois de muito pensar cheguei à conclusão de que a primeira experiência socialista da história foi a Peste Negra na Idade Média: matava senhores feudais, servos da gleba e, para satisfação dos primeiros, seus credores judeus e florentinos. Taí o mote para um tratado de socialismo democrático pré-marxista. Levantei apenas a ponta do iceberg! Mas, aí que vem outra vez o chato do Zinoviev me alertar: “Quando um sujeito não tem nada para dizer ele mascara a nulidade do que diz com um verniz mentiroso, como se houvesse escondido em seus termos algo profundo e poderoso. São mestres das “pontas de iceberg” e das “entrelinhas”. Não passam de parasitas ordinários e idiotas”.

TERRORISMO NA OLIMPÍADA

Assim me parece ser o report das autoridades responsáveis pela segurança sobre a prisão de alguns gatos pingados tão perigosos quanto um bando de pivetes fazendo um arrastão num engarrafamento. Diz-se que o report foi para “tranquilizar a população de que nossas forças de segurança estão alertas”. Os jornais chegam a noticiar que “os riscos foram reduzidos a quase nada”.

Perdoem-nos, eles não sabem o que dizem! Se acham que prender meia dúzia de babacas encantados com as barbas do Profeta, com perigosíssimas armas de paintball compradas pela internet, significa alguma segurança, estamos fritos. A França também estava em estado de alerta máximo desde o Bataclan, quando ocorreu Nice. Hoje foi a vez do shopping center de Munich e ninguém pode negar a eficiência da polícia alemã, especialmente o GSG 9 der Bundespolizei, forças antiterroristas baseadas, êta ironia macabra, nas forças especiais israelenses – Sayeret Matkal – depois do atentado na mesma Munich e, coincidentemente, ….. nos Jogos Olímpicos de 1972. 44 anos depois temos Olimpíada no Brasil e um ataque ao shopping Olympia, próximo de onde se celebrava uma cerimônia de homenagem às vítimas de 72. Coincidência ou mensagem cifrada?

De lá pra cá o terror islâmico se expandiu enormemente e Suas Excelências da segurança brasileira que não conseguem sequer inibir os crimes diários nas favelas – mil perdões, “comunidades”! – e os frequentes arrastões em vias públicas, acham que podem enfrenta-lo? Santa mamma, que ingenuidade! Esta arrogância me deixa ainda mais apavorado! Principalmente que a segurança é “garantida” pelas unidades de inteligência de 106 países! Uma Torre de Babel garante alguma coisa? Daí que se entendam….,Bum!

Mas não nos preocupemos, pensemos, pois como diz do alto de sua posição de correspondente do Jornal O Bobo, Dorrit Harazim “pensar é a arma contra o terror”. Portanto, não se preocupem: se uma cara mostrar o peito cheio de explosivos diga: calma, cumpanhêro muslim, vamos pensar!

Espero que não venha a ocorrer a primeira experiência brasileira com o terror, moro no Rio, assim como minha família. Mas se ocorrer, já sei qual será a primeira declaração das nossa otoridadi: isto nada tem a ver com o Islam! Este mantra é exaustivamente repetido depois de todo atentado terrorista, mesmo que o cara tenha adotado o nome de Muhammad, o ISIS assuma a autoria e antes de morrer o cara grite Allah-u-akhbar! De Obama não surpreende, pois é quase certamente Muslim, de Hollande também, é francês socialista, c’est tout! E Merkel comprovadamente informante e possivelmente agente da STASI, a sucessora da GESTAPO, tudo se pode esperar. De Temer espero melhor desempenho, já que é descendente de libaneses Cristãos e deve saber muito bem porque seus pais ou avós tiveram que fugir da sanha turca Otomana.

Falando nisto….

OS DOIS GOLPES DE ERDOGAN

Num dos comentários no FB há 4 dias (18) (enviados pela sorela Graça) a respeito do meu último programa sobre o “golpe militar” na Turquia dizia o seguinte: “Golpe forjado pelo Ditador de Esquerda Erdogan para mandar executar, cristãos, gays e mulheres contrárias ao regime”. E noutro: ”A intervenção foi real dos militares, mas foi do 3° escalão. o 1 ° e 2° já haviam sido removidos, tanto é não teve alto comando na intervenção, fator que confirma. Tradicionalmente intervenção parte do alto comando ou da reserva não foi o caso. Com o fracasso evidente de interventores com apenas 1 helicóptero 1 avião e pouco mais de 100 carros blindados mas sem adesão de artilharia, marinha, etc. O resultado era previsível. A verdade é que Erdogan, FOI TRABALHANDO REMOVENDO OS LAICOS no exercito, agora vem a ultima etapa, remover o 3° escalão, abaixo o soldado raso. Erdogan já iniciou a 1° fase de limpa na justiça removendo 10 juízes do STF e 2.500 juízes de instancias inferiores. Ao todo são 6.000 detentos, com previsão de ser votado essa semana a pena de morte. A RUSSIA NÃO FEZ O GOLPE OU AJUDOU, MAS GANHA UM ALIADO. Putin essa semana se reúne com ERDOGAN . Lembrando: a Turquia vai entrar na U.E NO LUGAR DO R.U, TERÁ IMPORTÂNCIA VITAL COM SEUS 80 MILHÕES DE TURCOS COM LIVRE CIRCULAÇÃO NA EUROPA, MAIS A INFLUENCIA INDIRETA VIA IRMANDADE MUÇULMANA, O qual é o maior financiador. A irmandade é quem patrocina a invasão islâmica. PUTIN GANHA ASSIM UM ALIADO QUE É O CAVALO DE TROIA NA U.E EM BREVE”.

Fica chato eu dizer que na noite de sábado, após gravar o programa, eu já pensava exatamente assim? Quem quer dar golpe preventivo de ditadura faz como o general egípcio Abdul Fatah Khalil Al-Sisi: manda ver, prende direto o candidato a ditador e liquida a organização que o apoia.

Mas eis uma encrenca danada para o que se chama de jornalismo no Brasil: admitir um golpe preventivo de ditadura como algo positivo implicaria na temível pergunta: e 1964? (Respostas para a redação da Radiovox).

Parece, no entanto, que a Turquia não vai entrar na UE, pois nem a “elite” globalizante de Bruxelas pode se desdizer tanto, ao menos imediatamente: exigem aderência absoluta aos “dereitos humânicos” estalinistas e o banimento da pena de morte, que ficaria evidente a hipocrisia se aceitassem a ditadura islâmica que se instalou no país – oh, perdão, isto nada tem a ver com o Islam! Mas não esqueçam Zinoviev: em breve sairá um report cheio de pontas de icebergs e entrelinhas justificando a aceitação do Putin, sorry, do Erdogan na UE.

(Interrompo para dizer que acabei de ouvir naquele antro de anti-jornalismo internacional [a turma da política nacional escapa] chamado Bobo News o Guga Chacra pontificando: ainda não dá pra dizer nada sobre Munich, mas não se pode dar crédito aos grupos anti-imigração, etc…! Mas o que esperar de um sujeito que, ao discutir o discutível estupro coletivo aqui no Rio, disse com a maior cara deslavada que “às vezes a mulher nem sabe que está sendo estuprada”!?).

UMA ADVERTÊNCIA

Não quero ser antipático, arrogante ou pretensioso, mas já estou de saco cheio de gente que quer discutir o Islam enchendo o peito (só pode, o cérebro está vazio de conhecimentos!) para dizer que o Islam é a religião da paz e que o Corão é cheio de citações misericordiosas (mas não citam nenhuma) ou, alternativamente, que são um bando de loucos assassinos. E confrontados com algum conhecimento real que eu tenho (nada além do minimamente razoável) se abespinham e se ofendem. Pois bem, a partir de agora exigirei conhecimentos mínimos de:

1. Corão (Al Q’uran): há uma tradução de Samir El Hayek bastante comentada que julgo ser fiel ao original árabe, pois tem a chancela do Sheik Ahmad Saleh Mahairi, mestre em exegese do Alcorão pela Universidade de Riadh, Arábia Saudita.

2. Sirat Rasul Allah (O Caminho do Mensageiro do Senhor), de ibn-Ishaq – The Life of Muhammad, traduzida por A. Guillaume. (Sirat não é apenas vida, embora seja assim traduzida, mas para o Islam significar a estreitíssima ponte pela qual toda pessoa deve passar no Yawm ad-Din, Dia do Juízo, para entrar no Paraíso. É descrita como fina como um fio de cabelo e afiada como uma navalha e passa acima dos fogos do inferno para atingir o Hauzu’l-Kausar, o Lago da Abundância. Conforme a dedicação a Allah durante a vida a velocidade de passagem aumenta, diminuindo os riscos de cair).

3. Algum conhecimento das duas principais coleções de haddith (ditos e atos do Profeta) das seis que compõem a Kutub Al-Sittah (Os Seis Livros): Sahih Bukhari (colecionados pelo Imam Bukhari) e Sahih Muslim (por Muslim b. al-Hajjaj). Não os conheço profundamente, mas é necessário ao menos tê-los à mão para verificar a veracidade de algumas afirmações estapafúrdias. Há boas traduções para o Inglês na internet.

4. Muqaddimah (Prolegômena), de Abd-ar-Rahmân ibn Khaldun. Traduzido por Franz Rosenthal como An Introduction to History – The Classic Islamic History of the World.

5. Sobretudo é preciso respeito, pois estamos lidando com coisas sagradas para milhões de pessoas. Não admito gracinhas idiotas com a figura do Profeta, como as do Charlie Hebdo. A liberdade de expressão é cria da civilização ocidental e deve ser permitido dizer o que se quer, mas que se assuma a responsabilidade e as consequências. Mesmo entre pessoas existe a limitação pela figura legal da calúnia. Pois é, os advogados de Mohammed foram lá!

ISLAM, INVASÕES E ATITUDE DO OCIDENTE

É uma atitude néscia do ocidente ao mesmo tempo em que abre as portas à imigração, pretender que os migrantes abandonem suas crenças na fronteira como se troca de roupa. Não dá! Os americanos tem uma bela expressão para a empatia, o conhecimento do que o outro pensa ou sente: to step into another’s shoes, calçar os sapatos do outro.

Sempre chamei a “migração” pelo seu verdadeiro nome: invasão! E por que eles se sentem tão à vontade para invadir? Calcemos os sapatos de um deles e vamos ver por que. Imagine-se um sujeito que passou a vida toda sob uma ordem restritiva e absoluta que exige não apenas crenças, mas atos, atitudes, regulamentos para tudo até para comer ou fazer sexo. Tudo isto controlado diretamente por Allah – diferentemente do Cristianismo Mohammed não é Deus, é só o Mensageiro (rasul) ou Profeta (nabi), embora sagrado. A Torah é a narrativa histórica do povo Judeu, os Evangelhos são os ensinamentos de Jesus transmitidos pelos Evangelistas. O Corão é a própria voz de Allah ressoando dentro da cabeça do todo Muçulmano. E mais, eles sabem que em nossas escolas nos ensinam como eles são sábios, tolerantes e misericordiosos e os Cristãos são uns bárbaros abjetos, com os falsos ensinamentos sobre as Cruzadas, a tão mal falada Inquisição e o maravilhoso domínio mouro da Espanha, o mítico Al-Andalus, uma sociedade que nos ensinam como tolerante, mas que não passava de uma estratificação em apartheid. O suicídio cultural europeu é já antigo e piora século a século.

Imagine-se agora chegando ao ocidente e vendo que uma peça de grande sucesso chama-se Jesus Christ Superstar, o hino da juventude (Imagine) tem uma letra idiota que condena a Religião como algo do mal. Na boate Bataclan cantava-se e dançava-se louvando o demônio. Uma sociedade que prima pelo ateísmo militante e o desrespeito ao Deus que dizem cultuar. Não é lógico que este cara pensasse: se eles fazem isto com o Deus deles, imagine o que farão com o nosso? Eles não entendem a separação Estado–Religião, o tal “estado laico”, uma invenção do Cristianismo. Para eles Allah é tudo e Mohammed foi efetivamente chefe religioso, civil e militar, além de exemplar a ser seguido à risca em seus atos. Como vão entender que pessoas vão ao Bataclan e domingo vão à Missa ou ao Culto Evangélico? Como vão entender que as pessoas andem quase nuas nas praias e se vistam recatadamente para ir à Igreja? Entendamos de uma vez por todas: é impossível! O que eles enxergam é o demônio e Allah manda que este seja destruído. Period!

Entender o outro não significa justificar suas atitudes terroristas e assassinas, é claro. Guardei meus sapatos para calçá-los outra vez. E examino como foi que o Ocidente conseguiu repelir as duas primeiras invasões. Fiquemos na primeira, durante a rapidíssima expansão islâmica. A invasão em pinça foi rechaçada primeiro em Bizâncio, em 718, pelo Imperador Leão III, e finalmente na planície de Poitiers por Charles Martel, em 732. Mas Martel e Leão não eram espadas com um homem atrás, eram homens imbuídos de uma profunda fé Cristã usando suas espadas. Onde encontrar um homem destes hoje? Nem Diógenes com um potente radiotelescópio conseguiria. Uma Europa comandada por uma burocracia materialista de quinta categoria e com um profundo impulso suicida buscando espiar culpas reais – o comunismo, o nazismo – e imaginárias – como as Cruzadas, esta também uma experiência de profundo sentimento Cristão de reconquista do Santo Sepulcro que nos é ensinada como uma mera busca de ouro, glória e poder. Mas nem os sapatos de nossos ancestrais conseguimos calçar para entender um Papa Urbano II, um Godefroy de Bouillon, um Ricardo Coeur de Lion, um São Luís e tantos outros. Os vemos projetivamente como ávidos invasores da terra alheia para pura pilhagem. Ao mesmo tempo nos ensinam a venerar um assassino curdo, o Sultão Ṣalāḥ ad-Dīn Yūsuf ibn Ayyūb; conterrâneo de Saddam Hussein (também nasceu em Tikrit) como o suprassumo do cavalheirismo e da sabedoria. O que pensaria nosso imaginário Muslim? Ora, vamos dar a eles um pouco da nossa sabedoria e vamos mata-los como prova de nossa misericórdia para impedi-los de continuar vivendo em pecado!

Não dá, é uma partida perdida por W.O. O ocidente está acovardado e paralisado por suas próprias culpas e enfrenta pessoas para as quais a vida não é, como para os Cristãos, um dom de Deus, mas para eles a vida pertence a Allah e o supremo dom é sacrificá-la em Seu augusto nome.

Paz, paz y amor no son los mensajes que salvarán a la civilización occidental de sus depredadores. Hay que cerrarles el paso donde más les duela y como sea. Y sobre todas las cosas hay que sacarse de la cabeza que nosotros somos culpables de todos sus males. Los auténticos responsables son los señores de los emiratos, comenzando por Arabia Saudita. Pero Occidente tiene la enfermedad de los remordimientos, deudas imaginarias, complejos que atenazan y paralizan su capacidad de reacción. Estar a la defensiva en casa no es la solución.

(Mario Satz (http://www.heitordepaola.com/publicacoes_materia.asp?id_artigo=5925).

email

, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,