navbar

Intensifica-se a guerra no leste da Ucrânia

Pelo menos 27 pesssoas foram mortas e dezenas ficaram feridas nas últimas vinte e quatro horas em confrontos no leste da Ucrânia entre rebeldes separatistas e tropas ligadas a Kiev.

Entre os mortos estão sete civis atingidos por tiros de artilharia num ponto de distribuição de ajuda humanitária na cidade de Donetsk.

A intensificação da violência pôs fim às expectativas de construção de um acordo entre as duas partes, que trocaram acusações sobre a responsabilidade dos ataques.

As novas negociações de paz sobre o conflito no leste do país que seriam realizadas sexta-feira em Minsk, na Bielorrúsia foram canceladas.

A decisão foi tomada depois de a União Europeia ter anunciado que prolonga as sanções contra a Rússia.

O ex-presidente ucraniano Leonid Kuchma, representante das autoridades de Kiev nas negociações, indicou que irá este sábado a Minsk.

Ucrânia: Exército admite perdas pesadas

<iframe type=”text/html” width=”640″ height=”360″ src=”http://pt.euronews.com/embed/297640/” frameborder=”0″ allowfullscreen></iframe>

O Exército ucraniano admitiu ter sofrido o dia mais sangrento dos últimos nove meses de conflito no leste do país, com a morte de 15 soldados no espaço de 24 horas.

A situação no terreno não para de se deteriorar. Os últimos dias ficaram marcados por combates particularmente violentos e, esta sexta-feira, os separatistas pró-russos ameaçaram alargar a ofensiva “até à libertação total das regiões de Lugansk e Donetsk”, onde uma grande parte do território continua nas mãos das forças de Kiev.

Os rebeldes conseguiram assumir o controlo parcial da cidade estratégica de Debaltseve.

Mais de duas dezenas de civis perderam a vida em bombardeamentos, nomeadamente no próprio centro de Donetsk.

Na cidade bastião dos separatistas, o bilionário Rinat Ahmeto financiou a instalação de vários centros de distribuição de bens de primeira necessidade, que oferecem assistência a milhares de ucranianos.

Segundo as Nações Unidas, o conflito já fez mais de um milhão de deslocados.

 

Via EURONEWS

email

, ,